Família de ambulante morto em sambódromo deve ser indenizada

Compartilhe Esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Na responsabilidade civil objetiva, os danos deixam de ser considerados acontecimentos extraordinários, ocorrências inesperadas e atribuíveis unicamente à fatalidade, para se tornar consequências, na medida do possível, previsíveis e até mesmo naturais do exercício de atividades geradoras de perigo, cujos danos demandam, por imperativo de solidariedade e justiça social, a adequada reparação.

Assim entendeu a 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo ao confirmar a condenação da São Paulo Turismo, do Parque Anhembi e da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo a indenizar a mãe e o filho de um vendedor ambulante que foi morto no Sambódromo do Anhembi, às vésperas do Carnaval de 2012.

As instituições deverão pagar R$ 30 mil por danos morais para cada um, além de pensão mensal de um salário mínimo até o filho completar 25 anos, retroativa à data da morte do ambulante. A vítima trabalhava no Sambódromo durante o ensaio técnico das escolas de samba, quando ocorreu um desentendimento entre o chefe da equipe de fiscalização e os ambulantes que, segundo as regras do evento, não poderiam estar ali.

A vítima tentou intervir, mas foi ferido com um canivete pelo fiscal e acabou morrendo. O agressor foi julgado e condenado na esfera criminal pelo crime de homicídio. Segundo o relator do recurso, desembargador Enio Zuliani, a Liga responde pelos danos que seu encarregado provoca durante o exercício da atividade desempenhada e para a qual foi indicado (artigo 932, III, do CC).

Para o magistrado, também não há como excluir a São Paulo Turismo, que alugou o espaço para os desfiles de carnaval, da responsabilidade pela morte do ambulante: “O argumento de que a locatária ou as escolas da Liga seriam as únicas responsáveis, porque assumiriam o controle e segurança do evento, contraria a ordem jurídica e depõe contra a tutela dos direitos das vítimas”.

Conforme Zuliani, apenas redigir um texto especificando que a responsabilidade seria das escolas de samba representadas pela Liga não exclui a norma que cai sobre os ombros da proprietária da área e que tinha total conhecimento do risco (artigo 927, parágrafo único, do CC). O magistrado disse ainda que espetáculos em arenas de bilheteria intensa são “ambientes perigosos”.

“Determinadas posições jurídicas não são delegáveis ou disponíveis, como o de ceder um espaço para aglomerações e acesso de milhares de pessoas (público heterogêneo) e inserir regras para não ter obrigações diante das lesões daqueles que lá ingressam para entretenimento ou trabalho, inclusive clandestino. Trata-se de cláusula não escrita e que não sobrevive diante da morte de alguém que entrou no recinto para vender bebidas, lanches, etc.”, afirmou.

O relator também destacou que a propriedade de grandes palcos não cessa ou se finda com a locação ou com cláusulas que transferem responsabilidade ao locatário, especialmente quando não se investiga se o aparato de controle de tragédias e crimes será executado com segurança eficiente. “É irresponsabilidade social transferir o caos”, completou.

Fortuito interno
O desembargador ressaltou ainda que a morte do vendedor resultou da ação de um profissional vinculado a uma atividade (controle de acesso de ambulantes) inserida no objeto do contrato celebrado entre os réus. Trata-se, portanto, de “fortuito interno” que “não exclui a responsabilidade” das instituições de indenizar os familiares das vítimas.

Ainda segundo Zuliani, a vítima era um trabalhador, não desempregado, e pagava pensão alimentícia, o que reforça o fator de dependência econômica do filho para com ele: “No dia dos fatos tentava vender amendoim, água e outros produtos para as pessoas que assistiam ao ensaio. O trabalho informal qualifica o sujeito e lhe dá dignidade para amparar os filhos.”

0009192-41.2013.8.26.0053

Fonte: Conjur

Postagens relacionadas

Open chat